Entre em contato e 

Tel.: 

E-mail: 

Planejamento estratégico – Sua empresa no caminho certo

imagem-de-destaque

Saber para onde se vai, conhecer as possibilidades de mudanças de percurso durante o caminho, avançar em direção ao destino. A história de uma empresa se constrói no dia a dia, mas são as ações planejadas que a levam ao pleno desenvolvimento, onde crescimento e rentabilidade andam lado a lado. “O planejamento e o controle são imprescindíveis na busca pela perenidade das organizações”, ressalta o administrador, mestre em economia industrial e diretor da AMC Assessoria Empresarial, Adelino Denk.  O planejamento estratégico é a ferramenta mais eficaz na condução de uma empresa, seja ela de pequeno, médio e grande porte. Momentos de crise de mercado, por exemplo, são mais facilmente contornáveis para companhias que sabem onde querem chegar, que caminhos seguir e que ações seguir para superar desafios. “O planejamento permite inserir a empresa no mercado, avaliando suas potencialidades e as oportunidades de demanda, para que o caminho possa ser percorrido com maior organização, agilidade e eficiência”, esclarece o administrador.  A AMC possui metodologia específica para desenvolver o planejamento estratégico para pequenas e médias empresas. Ferramentas personalizadas são criadas para atender as necessidades de cada negócio, utilizando conceitos avançados de formas simples. “O trabalho é desenvolvido com a união de esforços entre a consultoria e a equipe de profissionais da empresa, construindo um caminho sólido ao futuro”, destaca Adelino Denk....

Leia mais

Mercado aumenta projeção para inflação e dólar e diminui para PIB em 2014

Pib 4

Relatório semanal Focus, do BC, piora as estimativas para o ambiente econômico brasileiro Ainda sem incorporar a dimensão dos protestos contra o governo Dilma Rousseff de domingo, os economistas já elevaram as expectativas para inflação e dólar ao fim do ano, além de terem piorado a estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB). O relatório semanal Focus, que ouviu dezenas de economistas até sexta-feira passada, mostrou uma expectativa média de recuo de 0,78% na atividade econômica brasileira neste ano. Na semana passada, ela estava em queda de 0,66%. Para 2016, a projeção ainda é positiva, de 1,40%, ainda que menor do que na semana anterior (1,30%). Já para a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a mediana das estimativas passou de 7,77% para 7,93% para este ano e de 5,51% para 5,60% em 2016. Os economistas também elevaram sua perspectiva para o dólar no fim do ano, que passa de 2,95% para 3,06%. Para o ano que vem, eles também subiram de 3% para 3,11%. Fonte: site da...

Leia mais

Veja os 12 erros mais comuns no preenchimento do Imposto de Renda

imposto-de-renda-pessoa-fisica

1. Digitar o ponto (.) em vez de vírgula (,) O programa gerador da declaração não considera o ponto como separador de centavos, fazendo com que o valor fique errado. 2. Não declarar todos os rendimentos tributáveis recebidos. Entre eles estão salários, pró-labores, proventos de aposentadoria, aluguéis etc. 3. Não declarar o rendimento tributável recebido pelo outro cônjuge. Isso deve ser feito quando a opção for pela declaração em conjunto. 4. Declarar o somatório do Imposto de Renda Retido na Fonte descontado do 13º salário ao Imposto de Renda Retido na Fonte descontado dos rendimentos tributáveis. Fazendo isso, o contribuinte desconta integralmente este somatório do imposto devido apurado. 5. Declarar o resultado da subtração entre os rendimentos tributáveis e os rendimentos isentos e não tributáveis.  Ambos são informados no comprovante de rendimentos fornecidos pela fonte pagadora (empresa). 6. Declarar prêmios de loterias e de planos de capitalização na ficha “Rendimentos Tributáveis” Esses prêmios devem ser declarados na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva. 7. Declarar planos de previdência complementar na modalidade VGBL como dedutíveis. A legislação só permite dedução de planos de previdência complementar na modalidade PGBL e limitadas em 12% do rendimento tributável declarado. 8. Declarar doações a entidades assistenciais. A legislação só permite doações efetuadas diretamente aos fundos controlados pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente e limitadas em até 6% do imposto devido. 9. Declarar rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva como rendimentos tributáveis. Entre eles estão o 13º salário. 10. Não declarar os ganhos ou perdas de capital quando são alienados bens e direitos. Os rendimentos ou perdas de itens vendidos devem ser declarados. 11. Não declarar os ganhos ou perdas de renda variável. Isso deve ser feito quando o contribuinte opera em bolsa de valores. 12. Declarar despesas com planos de saúde de dependentes não relacionados na declaração do IR. O contribuinte, titular de plano de saúde, não pode deduzir os valores referentes ao cônjuge e aos filhos quando eles...

Leia mais

Mercado baixa previsão para PIB e vê inflação no limite da meta em 2015

Sem título

As perspectivas dos economistas do mercado financeiro tiveram nova piora. As estimativas de crescimento para a economia ficaram menores para este ano e para 2015, e a previsão para a inflação do próximo ano chegou ao limite da meta do governo. Os dados são do boletim Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (8). O relatório é fruto de pesquisa com mais de 100 instituições financeiras.Para este ano, a expectativa dos economistas para a inflação recuou de 6,43% para 6,38%. Para 2015, no entanto, a estimativa subiu de 6,49% para 6,5%. A meta de inflação é de 4,5%, com tolerância de dois pontos para mais ou para menos. Dessa forma, o teto é de 6,5%. Em doze meses até novembro, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada, o IPCA, considerada a inflação oficial do país, ficou – valor que ainda está acima do teto de 6,5%. A meta, porém, vale somente para anos fechados.   Produto Interno Bruto Para o Produto Interno Bruto (PIB), os economistas baixaram a estimativa de uma alta deste ano de 0,19% para 0,18%. Foi a terceira queda seguida do indicador. Se confirmada, será a menor expansão desde 2009, quando o PIB teve retração de 0,33%. Para 2015, a estimativa de expansão da economia recuou de 0,77% para 0,73%, na segunda redução consecutiva.O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o crescimento da economia. No fim de outubro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a economia brasileira saiu por pouco da recessão técnica no terceiro trimestre de 2014 – quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1% na comparação com o trimestre anterior. De janeiro a setembro, a economia teve expansão de 0,2% frente ao mesmo período do ano passado. Já no acumulado em quatro trimestres até setembro, a alta...

Leia mais

Indicadores antecedentes apontam estabilidade no Brasil

custos

O crescimento econômico da zona do euro deve seguir em ritmo estável nos próximos meses, de acordo com indicadores antecedentes divulgados nesta segunda-feira, 12, pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).   Ainda assim, duas das maiores economias do bloco, Alemanha e Itália, deverão desacelerar, assim como Reino Unido e Rússia, segundo o estudo. Para o Brasil, os resultados sugerem estabilidade. O relatório leva em consideração dados disponibilizados até novembro e mostra que, apesar de manter um ritmo estável de expansão, os membros da zona do euro terão dificuldades pela frente, uma vez que a inflação para o consumidor resiste em níveis considerados baixos demais pelo mercado. No entanto, o resultado é um progresso, já que o relatório anterior indicava desaceleração.   Para os 34 membros da OCDE (que não inclui o Brasil), o índice composto do estudo avançou ligeiramente para 100,5, de 100,4 no mês anterior. Nos Estados Unidos, o índice ficou em 100,4 pelo sexto mês seguido. Resultados em 100,0 sugerem que o país manterá sua tendência de crescimento ou em ritmo compatível com a média das últimas décadas.   O Brasil ficou com 99,3, pelo quarto mês consecutivo. A zona do euro registrou 100,6. Os indicadores antecedentes preveem uma melhora no Japão e na Índia, citando um “momento de mudança positiva” para o primeiro. O segundo deve experimentar uma aceleração do seu crescimento. Para a China, a segunda maior economia do mundo, a projeção é de estabilidade.   Fonte: Revista...

Leia mais

Panorama traz indicadores de São Bento do Sul

panorama (1) (Medium)

O Panorama Socioeconômico, lançado na última segunda-feira, 15, na Associação Empresarial de São Bento do Sul evidencia crescimento em diversas áreas do município. Com a realização da AMC Assessoria Empresarial e Acisbs, esta edição trouxe novidades, além de um projeto gráfico diferenciado, foram realizadas pesquisas em outros segmentos, como por exemplo, a segurança pública.   O Presidente da Acisbs, Osmar Mühlbauer, ressalta a importância da publicação. “A Acisbs buscando proporcionar um ambiente favorável para a geração de negócios e destacar diversos indicadores de nossa cidade, lança agora o Panorama Socioeconômico. Depois de meses de pesquisa, esta publicação ganhou um visual moderno, o seu conteúdo foi expandido, tudo para oferecer um material de qualidade e passar aos leitores as principais informações, tanto qualitativas e quantitativas. Esta será uma ferramenta de pesquisa entre empresários, futuros empreendedores, universitários, estudantes, poder público, empresas, entre outros interessados, no qual traz índices de desenvolvimento econômico de nossa região”, destaca.   O autor Adelino Denk, apresentou indicadores no que se refere a população, educação, saúde, infraestrutura, segurança pública, transporte e economia. “São Bento tem se destacado nos últimos anos na diversificação da sua economia e melhoria significativa dos seus indicadores, demonstrando a força do empreendedorismo local para superar as adversidades. Agradeço a todos os envolvidos neste projeto”, observa.   Alguns indicadores   Em relação a população, São Bento registrou de 2011 a 2013 um crescimento populacional de 1,9%, contabilizando atualmente 78.998 habitantes, sendo em sua maioria mulheres (39.661). Dentre os bairros mais populosos, Serra Alta está em primeiro lugar (11.631), logo após Colonial (8.004) e Brasília (7.981). De 2010 até este ano, ocorreu um aumento significativo no número de eleitores, 5,4%.   O Produto Interno Bruto projetado para 2013 supera os R$ 2,6 bilhões, com um crescimento muito acima da média, 16%. São Bento é a 15ª força econômica do Estado e em relação ao país é classificada na posição 276.   Nos próximos dias, o...

Leia mais

Página 10 de 21« Primeira...89101112...20...Última »